Como tirar o Certificado Internacional de Vacinação?

Muitos destinos estão cobrando dos viajantes o Certificado Internacional de Vacinação. Se você não sabe para que serve esse certificado, leia este artigo até o final que você entenderá para que ele serve e dependendo do destino que você escolher, ele poderá ser solicitado!

O que é e porque emitir o Certificado Internacional de Vacinação?

O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é um documento exigido na imigração de alguns países onde o viajante comprova que se vacinou contra doenças, conforme definido no Regulamento Sanitário Internacional.

A febre amarela, é uma das doenças que está preocupando muitos países, pois infelizmente tem feito muitas vítimas no nosso país e de olho nisso muitos países que não cobravam o certificado internacional de vacinação, passaram a cobrar.

É importante saber que o passo a passo colocado abaixo só servirá para o viajante que tiver tomado a dose inteira da vacina, a dose fracionada aplicada nos postos na campanha deste anos não será aceito para a emissão do certificado internacional de vacinação.

Abaixo colocarei o passo a passo para você emitir o Certificado Internacional de Vacinação.

Passo a passo para emitir o Certificado Internacional de Vacinação

Primeiramente antes de planejar qualquer viagem você deverá fazer uma pesquisa sobre o destino que você deseja visitar, saber quais são as exigências para entrar neste destino.

Muitos locais exigem do viajante vistos, seguro viagem, vacina contra a febre amarela, taxa de entrada antecipada etc.

Certificado-Internacional-de-Vacinação

Para solicitar a emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), você precisará tomar a vacina com até 10 dias antes da viagem.

Você poderá tomar a vacina em um posto de saúde público ou clinica particular. A vacina nas clínicas particulares custa por volta de +- R$ 150,00, caso você não consiga tomar nos postos públicos.

Para agilizar o seu atendimento, entre no site da Anvisa e faça um pré-cadastro na SISPAFRA, coloque as suas informações pessoais para fazer o agendamento.

OBS: Para o agendamento o viajante deverá realizar o pré-cadastro. Nos Centros de Orientação do Viajante – COV onde o agendamento está disponível, o pré-cadastro é obrigatório.

Alguns postos de saúde são autorizados pela Anvisa a emitirem o certificado, você só precisará saber se tem algum posto na sua cidade, caso queira resolver tudo em um único local e não precise ir até um posto da Anvisa no aeroporto .

No site da Anvisa você consegue puxar a relação dos postos autorizados em cada cidade brasileira:

Entre em contato com o posto ao qual você fez o seu agendamento e se informe sobre o horário de funcionamento.

As seguintes informações devem constar no seu comprovante de vacinação:

  • Número completo do lote da vacina;
  • Data Legível;
  • Carimbo com identificação da clínica ou posto;
  • Assinatura do vacinador

No dia, você apresentará os seguintes documentos junto com o seu comprovante de vacinação:

  • Documento original, oficial e com foto, como RG, CNH, passaporte, entre outros documentos.

A Anvisa esclarece que “A apresentação da certidão de nascimento é aceita para menores de 18 (dezoito) anos. Ressalta-se que crianças a partir de 9 (nove) meses já começam o esquema de vacinação. A população indígena que não possui documentação está dispensada da apresentação de documento de identidade”

Apresente também junto a esses documentos, o seu bilhete aéreo também.

Você terá que ir pessoalmente a um posto da Anvisa! Não adianta mandar alguém no seu lugar ou querer enviar os documentos por e-mail… o próprio viajante deverá comparecer ao local com os documentos exigidos em mãos!

vacina

Para menores de 18 anos de idade, os pais ou tutores, poderão solicitar a emissão do certificado e deverão assiná-lo na frente de um agente de saúde autorizado! Não é necessária a presença da criança ou do adolescente no posto da Anvisa

Isenção de Vacinação

A vacina de febre amarela é contraindicada para os seguintes grupos:

  • Pacientes com imunodeficiência primária ou adquirida;
  • Indivíduos com imunossupressão secundária à doença ou terapias;
  • Imunossupressoras (quimioterapia, radioterapia, corticoides em doses elevadas);
  • Pacientes em uso de medicações anti-metabólicas ou medicamentos modificadores do curso da   doença (Infliximabe, Etanercepte, Golimumabe, Certolizumabe, Abatacept, Belimumabe, Ustequinumabe, Canaquinumabe, Tocilizumabe, Ritoximabe);
  • Transplantados e pacientes com doença oncológica em quimioterapia;
  • Indivíduos que apresentaram reação de hipersensibilidade grave ou doença neurológica após dose prévia da vacina;
  • Indivíduos com reação alérgica grave ao ovo;
  • Pacientes com história pregressa de doença do timo (miastenia gravis, timoma).

Caso este seja o seu caso, você deverá apresentar o atestado abaixo junto com o seu documento no dia da emissão do certificado.

Clique aqui para imprimir o modelo de atestado de isenção da vacina. É importante ressaltar que este documento tem o mesmo reconhecimento e validade que o atestado realizado por um médico em inglês ou francês.

Bom, espero que este post tenha te ajudado! Caso tenha ficado alguma dúvida, acesse o site da Anvisa.

Gostou desse artigo, deixe o seu comentário e/ou compartilhe com os seus amigos!

Abraços!

Ana Chaves

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *